5 Cuidados Para Que Uma Marca Não Seja Odiada Nas Redes

03 May 2019 01:27
Tags

Back to list of posts

<h1>Redes sociais: 5 Maneiras De Fazer V&iacute;deos Curtos Bombarem</h1>

<p>O Grupo Globo divulgar&aacute; por esse domingo os seus novos princ&iacute;pios editoriais. Pela pr&aacute;tica, um guia pra regular o modo de seus jornalistas nas redes sociais. A organiza&ccedil;&atilde;o quer que os jornalistas tenham um padr&atilde;o de posicionamento pela web que n&atilde;o coloque em tra&ccedil;o o que a todo o momento foi muito caro ao discurso hist&oacute;rico do grupo: a isen&ccedil;&atilde;o. As frases “isen&ccedil;&atilde;o” e “isento” foram escritas 16 vezes no editorial de p&aacute;gina inteira assinado por Jo&atilde;o Roberto Marinho, presidente do Conselho Editorial. A propor&ccedil;&atilde;o influencia todos os que trabalham em lugares como Tv Globo, jornais O Globo e Extra, r&aacute;dio CBN, revistas da Editora Globo (como a &Eacute;poca), e G1.</p>

<p>A ideia, segundo texto assinado por Marinho ao qual tivemos acesso, &eacute; “tentar ao m&aacute;ximo nos despir de tudo aquilo que possa p&ocirc;r em incerteza a nossa isen&ccedil;&atilde;o”. Segundo o documento, o grupo considera toda m&iacute;dia social potencialmente p&uacute;blica - mesmo que artigos estejam restritas somente aos amigos em grupos fechados como o WhatsApp. O p&acirc;nico &eacute; o vazamento de prints que possam comprometer o rep&oacute;rter e, em vista disso, “inabilit&aacute;-lo” a exercer o jornalismo.</p>

<p>“Isso n&atilde;o &eacute; admiss&iacute;vel, uma vez que a isen&ccedil;&atilde;o &eacute; o principal pilar do jornalismo. Perder a reputa&ccedil;&atilde;o de que &eacute; isento inabilita o jornalista que se dedica a reportagens a desempenhar o seu trabalho”, diz o texto. Falar sobre este tema cr&iacute;ticas privadas entre amigos no WhatsApp? S&oacute; se o jornalista tiver uma vaga “confian&ccedil;a absoluta” no interlocutor. Ele passa a ser respons&aacute;vel pelas atitudes de terceiros. No texto de exibi&ccedil;&atilde;o &agrave;s recentes regras, Marinho diz que est&aacute; s&oacute; fazendo “recomenda&ccedil;&otilde;es”.</p>

<p>&Eacute; a &uacute;nica vez que a frase aparece na p&aacute;gina. Agora a palavra “deve” aparece vince e seis vezes, pela maior quantidade delas em feitio impositivo. “Sei que n&atilde;o &eacute; necess&aacute;rio, por&eacute;m dou por aqui um ou 2 exemplos”, escreve Marinho. N&atilde;o que o jornalista deva se abster de investir em bolsa (uma atividade privada), no entanto que ele precisa notabilizar em teu perfil p&uacute;blico em quais companhias investe.</p>

<ul>
<li>Clique na barra de busca pela divis&atilde;o superior da tela</li>
<li>Fique de olho nas melhores vagas</li>
<li>WhatsApp salva fotos automaticamente no celular; saiba como evitar</li>
<li>40 Richard Gavin Reid</li>
<li>Vantagens de dominar a Persona de Marketing</li>
</ul>

<p>Melhor do que bloquear comportamentos que interferem pela vida pessoal do jornalista, o projeto quer apostar em transpar&ecirc;ncia. O texto mistura apoiar um candidato pol&iacute;tico com apoiar uma ideia ou uma tese, e quer controlar at&eacute; j&aacute; os likes dos funcion&aacute;rios. “ 62 Novos Emojis Chegam Muito em breve; Conhe&ccedil;a Todas As 'carinhas' n&atilde;o necessitam nunca se p&ocirc;r como divis&atilde;o do debate pol&iacute;tico e ideol&oacute;gico, muito menos com o objetivo de favorecer para a vit&oacute;ria ou a derrota de uma tese, uma propor&ccedil;&atilde;o que divida cr&iacute;ticas, um prop&oacute;sito em disputa. Isto inclui endossar ou, pela linguagem das m&iacute;dias sociais, “curtir” publica&ccedil;&otilde;es ou eventos de terceiros que participem da disputa pol&iacute;tico-partid&aacute;ria ou de ideias.” O jornalista &eacute; contra a pena de morte?</p>

<p>N&atilde;o pode curtir um postagem sobre. Deseja o t&eacute;rmino da disputa &agrave;s drogas? Sil&ecirc;ncio. &Eacute; contra a corrup&ccedil;&atilde;o? Acredita em aquecimento global? Quer mais cotas nas universidades? O comunicado diferencia reportagem de colunas, e permite aos colunistas que continuem emitindo avalia&ccedil;&atilde;o. Planejamento, Assunto, Campanhas E Gest&atilde;o vai funcionar em casos como o de Alexandre Garcia, como por exemplo, que frequentemente senta pela bancada do Jornal Nacional, n&atilde;o como comentarista, mas como apresentador?</p>

<p>Ele poder&aacute; seguir no Twitter debochando da morte de mulheres, informando “Eu eu com isso? ” ao comentar um estupro, ironizando uma m&atilde;e brasileira que foi separada do filho pela imigra&ccedil;&atilde;o dos EUA ou escrevendo que o encerramento da contribui&ccedil;&atilde;o sindical obrigat&oacute;ria &eacute; com o intuito de cessar com os “pelegos”? Auto Liker Brasil → Ganhe Seguidores E Curtidas No Face [Acesse!] entrar no m&eacute;rito de suas considera&ccedil;&otilde;es, todos estes assuntos s&atilde;o cobertos pelo Grupo Globo. Duas frases s&atilde;o capazes de sintetizar o norte filos&oacute;fico por tr&aacute;s da carta: “O jornalista do Grupo Globo, sem exce&ccedil;&atilde;o, n&atilde;o podes, por &oacute;bvio, criticar colegas de tuas reda&ccedil;&otilde;es ou de reda&ccedil;&otilde;es de competidores nas redes sociais.</p>

[[image http://www.nodestudios.co.uk/wp-content/uploads/2015/05/SOCIAL-MEDIA.png&quot;/&gt;

<p>O cr&iacute;tico acaba a toda a hora por se apequenar diante do p&uacute;blico.” &Eacute; a interdi&ccedil;&atilde;o do debate de ideias e, principlamente, a compreens&atilde;o de que ser um jornalista cr&iacute;tico - e poder criticar republicanamente os colegas - &eacute; ser um jornalista menor. Excelente mesmo &eacute; treinar a domestica&ccedil;&atilde;o. As Pensata, Por Rodrigo De Almeida assim como abarcam temas prosaicos. “O jornalista precisa impedir criticar hot&eacute;is, marcas, organiza&ccedil;&otilde;es, restaurantes, produtos, companhias a&eacute;reas etc., mesmo que tenha tido uma m&aacute; experi&ecirc;ncia”. Em caso de d&uacute;vida sobre isso publicar ou n&atilde;o publicar, o Grupo Globo &eacute; taxativo: “A &uacute;nica solu&ccedil;&atilde;o &eacute; consultar a chefia”.</p>

<p>Se o cidad&atilde;o foi sacaneado por uma empresa de telefonia ou de plano de sa&uacute;de, &eacute; de bom tom consultar o chefe com o intuito de saber se poder&aacute; continuar publicamente indignado. Jornalistas do grupo que conversaram com a gente no decorrer do Congresso da Abraji, que acontece nesse t&eacute;rmino de semana em S&atilde;o Paulo, se mostraram, em geral, indignados.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License